Celso Álvarez Cáccamo  • Linguística Geral • Depto. de Galego-Português, Francês e Linguística Faculdade de FilologiaUniversidade da Corunha • 15071 Corunha • Galiza • Tel. +34 981 167000 ext. 1888 • Fax +34 981 167151 • lxalvarz@udc.es
 << ] Acima | Up ]  >> ]


Início | Home
Informação profissional
Professional Information
Publicações | Publications
Desde a Margem
Vários | Miscellaneous
Audiovisual
Gaveta | Drawer

Revista Çopyright

Documentos escritos
e audiovisuais sobre
a língua em
Versão Original

Xosé María
Álvarez Blázquez

 

O país da semi-língua

Celso Álvarez Cáccamo
[4 Maio 1994]
Publicado em A Nosa Terra 623, 26 Maio 1994, p. 28

     Paul Éluard dixo: há outros mundos, mas estão neste.

     O nosso país é já dous países: um país com semi-língua e um país com língua própria. O país com semi-língua tem limites precisos, Norte e Sul, é como uma borda, como a membrana duma célula, como uma contínua periferia. Porém, o país com língua própria mora dentro do outro, e também fora, em zonas irregulares e cambiantes, em redes esporádicas que medram, constituindo territórios fugazes cada vez mais sólidos, sedimentando-se na consciência colectiva de falar. O país com semi-língua é reconhecível desde fora, tem marcas registradas, hinos e bandeiras, vistosos líderes registrados, estabelece relações com outros mundos registrados, limita. Porém, o país com língua própria não limita, é errante, não tem hinos, nem privilégios, e os seus poucos líderes são pobres líderes, líderes falsos que talvez desejariam só ser líderes registrados do outro país, do país com semi-língua.

     O país com língua própria medra dentro do outro como o tecido dum cancro, como uma doença necessária, como o que é em realidade um cancro: vida nojenta e imortal. Como o cancro, o país com língua própria estende-se por metástase, não respeita fronteiras, conspira obscuramente, primeiro por se defender do extermínio e, logo, por se infiltrar de noite como um comando de ratos e espargir-se até que morra ou se transforme o país da semi-língua. Os falantes da língua própria perturbam a ordem e o consenso, precisam fazê-lo para sobreviver, são resistentes. Como o foram alguns falantes de semi-língua no seu tempo, os falantes e escreventes da língua própria são a suja vanguarda além da qual, contrariamente à política, já não pode haver vanguarda. No seu lunático excesso, falam de dessecar um rio inteiro, de levantar pontes de palavras que cruzem oceanos. Por isso os falantes e escreventes da língua própria são tristes megalómanos.

     Polo contrário, os habitantes do país da semi-língua estão suficientemente cómodos com a sua marca registrada, mas não de todo cómodos. Se não for pola presença de alimárias infiltradas, os habitantes da semi-língua reproduziriam os seus actos lingüísticos quotidianos como simples lesmas, sem a satisfação burguesa desse pruidinho de miolos que dá o justificar que, mira ti, as cousas da língua não estarão tão claras, pero eu fago só o correcto. Por isso, os habitantes da semi-língua precisam dos outros, dos ratos apestados, para se sentirem humanos e no Centro da História, as suas mãos unidas ao luar do novo lubre, admirando em apertado círculo infantil como crescem os ressumantes frutos duma árvore enorme dourada de medalhas.

     O nosso país é já dous países: um país com semi-língua e um país com língua própria. Os nossos dous países coexistem, combatem, sobretudo na cidade e nas aulas, dentro de nós, no território grosseiro dos papeis, nas escassas planícies que, entrementes, nos concede o monstruoso ressurgir de Europa.

     Os nossos dous países têm nomes enormemente semelhantes que significam cousas enormemente diferentes.


Última alteração: 19-06-2007

 << ] Acima | Up ]  >> ]